Olhar de cada um

Estou acordada nestas horas, estive num jantar, estava a morrer de sono. Vim para casa, a minha mãe neste momento está no hospital. Estou sozinha em casa, muitas coisas mudaram, tornou-se tudo tão dificil, e eu voltei a sentir-me diferente perante ao mundo, mais uma vez. Já não tenho sono, porque lembro-me de cada olhar que recebi hoje, de saudade. No jantar apareceu os meus amigos do coro (pessoas já com idade, mas todos muito sábios e simpáticos) . Eu fui sozinha pela primeira vez. A sala estava cheia de gente, todos vieram falar comigo mandar beijinhos à minha mãe, e estive a repetir vezes sem conta o que ela tinha e que foi outra vez operada.

"Olhar de cada um, as vozes juntam-se e transforma-se uma linda melodia."

E assim foi, no fim do jantar cantamos todos. Afinal o coro acabou, nunca mais haverá espectáculos. Mas a amizade entre nós ainda ali continuava. Olhei para toda a gente quando cantamos o "Ave Maria" do Ramiro real, todos os olhos brilhavam de saudade, brilhavam daquela amizade gigante que tinham nascido entre nós durante tanto tempo. Ali estávamos nós, a cantar juntos a relembrar os nossos momentos de cantoria. Nunca tinha ouvido tão bem as vozes de todos como hoje, cantavam alto e bom som, todos tinham saudades, todos sabiam que era um fim. Eu fechava aos olhos vezes sem conta, para sentir as vozes nos meus ouvidos, sentir o timbre de cada um, e ouvir aquela melodia que vai ser memória para o resto da minha vida, e só penso, o coro vai ser a minha vida. Todos preocupam-se comigo, dão-me apoio, aquilo é uma verdadeira família.

E quando saio ao pé deles, volto sempre a casa feliz. Porque cada olhar deles, tem um significado.

 

(A Senhora d'Aires)

publicado por Inêsquecível às 02:05 | comentar